Quanto vale o trabalho?

Produzir 300 almoços saudáveis e fartas em um dia e distribuir porta a porta 180 quilos de comida quente não é fácil. Exige mão de obra qualificada, equipamentos apropriados, uma logística bem amarrada e muita disposição para o trabalho.


Uma empresa nos moldes do capitalismo, em consonância com a prática comercial de comida pronta, comparando com os menores preços do mercado, venderia esse produto, incluindo a taxa de entrega, por algo em torno de R$18,00. Isso geraria um faturamento diário de R$5.400,00, portanto, um faturamento mensal de algo torno de R$135.000,00. Um negócio lucrativo e gerador de emprego.

A Comitiva do Bem, motivada por interesses diversos do capital, possui essa capacidade de produção, mas elas não são motivadas pelo lucro… nem mesmo pelo salário, a recompensa dessa turma é a de interagir com pessoas que estão com fome e alimentá-las. É saber que mães irão dormir melhor naquela noite porque seus filhos foram alimentados.

A recompensa que essas voluntários recebem é tão gratificante, que ao comentar do valor da estrutura que elas mantém, pareceu-lhes surpreendente. Não foi óbvio convencê-las do valor que aquele trabalho agrega nos moldes do capitalismo nosso de todo o dia.


Trabalhar com elas em um projeto de geração de renda é oportunizar ao trabalhador sua revolução pessoal, é transformar a mais valia em distribuição de renda, é experimentar um modelo de economia mais justo.


1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Tem que gostar de gente!

Por que o “Instituto ComViver” se entendeu tão rápido com a “Comitiva do Bem”? Prof. Daniel Brito Depois de cozinhar e porcionar 234 marmitas, mais o almoço de quase vinte voluntários, separar roupas